Animação Vocacional

“Tarde Te amei” – Agostinho e muitos outros

Padre Matthias J. A. Ham. Foto: Arquivo Pessoal

Matthias J. A. Ham nasceu na Holanda, no ano de 1955.  Veio para o Brasil em 1974 para trabalhar na indústria de uma colônia de origem holandesa. Foi lá que redescobriu a vocação para o presbiterato, desejo que nasceu quando tinha sete anos de idade. 

Estudou Filosofia e Teologia no IFITEME, Instituto da Diocese de Ponta Grossa (PR). Foi ordenado presbítero com trinta anos de idade. 

Obteve o mestrado em Psicologia e em Teologia Espiritual na Universidade Pontifícia Gregoriana, Roma. A convite do bispo de Breda, Holanda, durante doze anos (1995 - 2007) foi reitor do Priester en Diakenopleiding Bovendonk, Instituto inaugurado em 1983, com a finalidade específica de formar em tempo parcial adultos ao ministério ordenado. 

No fim de 2007 voltou para o Brasil. Atualmente faz parte da equipe de coordenação do Instituto Discípulos de Emaús (IDE) da Arquidiocese de Curitiba (PR), o qual tem a mesma finalidade específica do Instituto Bovendonk.

Jesus convocou para sua equipe de apóstolos vocações adultas: alguns pescadores, um coletor de impostos. Chamou um médico, Lucas; um fabricante de tendas, Paulo; e muitos outros. Sobre “vocações adultas”, o Portal Paulinas conversou com o Padre Matthias Ham, do Instituto Discípulos de Emaús (IDE).

Portal Paulinas (PP) - Quem pode ser considerada uma vocação adulta? 

Pe. Matthias Ham –  É considerada “vocação adulta” a pessoa que já passou por algumas passagens de vida e quem já adquiriu alguma  experiência de vida, fé, autonomia e responsabilidades, trabalho, bens materiais.  Pessoa disposta a se preparar ao ministério ordenado e/ou à radicalidade da Vida Consagrada enquanto continuam (um período) “no mundo”, comprometendo-se cada vez mais com a vida cristã no seu trabalho e na vida comunitária e social, fazendo assim a passagem para uma vida nova, mostrando que são capazes de viver autonomamente e livremente para  se tornar missionário no mundo que conhece por experiência. Adultos que exercem uma profissão na sociedade e que a partir de uma consciência vocacional desejam mudar para a Vida Consagrada e/ou para o Ministério Presbiteral ou Diaconal Permanente na Igreja. Pessoa que, pela sua idade cronológica e psicológica (e seu grau de maturidade alcançada) não encontra um ambiente formativo favorável nas nossas atuais estruturas formativas e por causa disso não têm chance de realizar o seu desejo vocacional. Idade de admissão entre 28 - 48 anos.

PP - “Vocação adulta” tem fundamento no Evangelho de Jesus, na Sagrada Escritura? Existem muitas? Pode citar alguma vocação adulta? 

Pe. Matthias Ham -  “Vocações adultas” sempre existiram; na verdade era a regra (Sagrada Escritura, Apóstolos, santos e santas). Desde o Concílio Vaticano II a Igreja quer dar atenção especial a este grupo de pessoas: “Promovam-se com diligência Institutos e outros empreendimentos em favor dos que em idade adulta seguem a vocação divina” (Optatum Totius, 3). Há vários outros documentos e palavras de papas que, até hoje, expressam essa preocupação salutar para com a formação de pessoas de mais idade que se sentem chamadas a Vida Consagrada ou Presbiteral.

PP - O que é o Instituto Bovendonk? Como funciona?

Pe. Matthias Ham - Em 1983 fundou-se na Holanda um Seminário para o acompanhamento de homens adultos vocacionados ao presbiterato, em comunhão com várias dioceses e congregações, aproveitando-se da estrutura do já existente Seminário Maior de Bovendonk, na Diocese de Breda, que passou a sediar um Instituto especial para formar ministros ordenados. A formação tem uma primeira fase de estudos  filosóficos e teológicos, por quatro anos, mantendo a permanência em suas profissões seculares. Depois, os alunos deixam suas profissões e passam a residir em uma paróquia, seguindo mais dois anos de formação no Instituto.

O Instituto Discípulos de Emaús (IDE), da Arquidiocese de Curitiba (PR), se baseia neste modelo formativo do instituto Bovendonk. Iniciou as suas atividades em 2019. 

PP - Para uma pessoa adulta com profissão definida, independente, não fica difícil a opção vocacional, e comprometidas sua liberdade e sua autonomia?

Pe. Matthias Ham - Devemos distinguir entre independência, autonomia e liberdade. Com "liberdade" entendo liberdade interior, o ser (quanto possível) livre de amarras interiores, conflitos, crises e isso por falta de autoconhecimento ou por causa de uma estrutura psicológica fraca. Por autonomia, entendo o ser capaz de tomar livremente as minhas decisões e arcar com as consequências, administrando por si mesmo a sua vida ser dependente demais de outras pessoas. Ser independente, o que pode ser positivo ou negativo, significa ir por conta própria seguindo predominantemente a própria cabeça. Agora, uma pessoa adulta que está acostumada com a sua independência (fazendo o que quer), vai encontrar dificuldades quando inicia uma caminhada vocacional porque necessariamente deve depender de "superiores", a comunidade, as regras e constituições. Por isso essas pessoas têm 4 anos para ver se conseguem fazer essa mudança (o que será difícil). Mas uma pessoa adulta e madura, justamente por ser madura, já adquiriu um certo grau de liberdade interior e pode, de maneira autônoma, decidir se colocar debaixo de uma regra, justamente porque são mais livres. A pessoa mais livre é capaz de dizer: "não à minha vontade, mas a Sua”.

PP - Como é o Plano Formativo de vocacionados adultos?

Pe. Matthias Ham - O Instituto Discípulos de Emaús (IDE), da Arquidiocese de Curitiba (PR), se baseando em um modelo formativo existente na Holanda, iniciou as suas atividades no ano de 2019. O IDE prepara futuros diáconos permanentes e futuros presbíteros (a partir de 28 anos de idade) juntos. Enquanto os futuros diáconos seguem um programa de 4 anos, os futuros presbíteros seguem o programa de 6 anos. Durante os primeiros 4 anos, os formandos continuam morando, trabalhando e participando da sua paróquia normalmente, enquanto estudam a distância Filosofia e Teologia. Cada 15 dias eles vêm ao Instituto, sábado de manhã até domingo na hora do almoço para participar do programa formativo, o qual inclui aulas, grupos de partilha, acompanhamento individualizado e vida comunitária. Após os 4 anos, os candidatos ao presbiterado deixam as suas moradias e empregos para ir morar por 2 anos com um padre em uma paróquia a fim de fazer o estágio pastoral. O Instituto forma também candidatos de outras dioceses do Paraná, se assim desejarem.

PP -  Por que o título de seu livro: "Tarde te amei"?

Pe. Matthias Ham - Escrevi o livro “Tarde te amei” (Paulinas, 2022) porque é muito difícil encontrar algo escrito sobre o assunto. “Tarde te amei” é uma expressão usada em uma oração de Santo Agostinho, ele mesmo uma ‘vocação adulta’.

PP – Quais os contatos disponíveis para conhecer mais o IDE?

Instagram: @institutodiscipulosdeemaus 
YouTube:  @IDEComunicacao 
Para quem deseja entrar em contato: [email protected]

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites